terça-feira, 15 de novembro de 2016

Agradecimento aos conhecidos e desejando o melhor para eles. Deus abençoe eles

Fiz uma pequena oração desejando o bem para estas pessoas que não conheço pessoalmente, mas conheço eles apenas pelos nicks.

Eles são:

Occult MG

Lupin maudrell

Leozebu

V

Bharto Paraiso

Gabi

Existem outros, mas esqueci os nicks , mas assim que eu os conhecer, colocarei os nicks deles para que sejam abençoados.

sábado, 22 de outubro de 2016

QUEM FOI O PROFETA JEREMIAS?



O nome Jeremias, do hebraico “Yirmeyahu”, aparentemente significa “O Senhor Estabelece”. Segundo Archer, o nome do profeta se relaciona ao verbo “ramah” (lançar) e pode ser entendido no sentido de lançar alicerces [1]. A profecia de Jeremias projeta-se sobre o nome do seu autor, como afirma Ellisen, pois embora suas profecias fossem contestadas, eram Palavras divinas, sendo que o próprio título anuncia tal certeza.

Jeremias nasceu aproximadamente em 647 a.C., na cidade benjamita de Anatote, terra da família sacerdotal de Abiatar (1 Rs 2.26), localizada a 5 Km a nordeste de Jerusalém. Era filho de Hilquias, sacerdote no período da reforma do rei Josias e bisavô de Esdras (Ed 1.1).


Aproximadamente em 626 a.C., no décimo-terceiro ano de Josias, Jeremias iniciou o seu ministério profético quando ainda possuía cerca de vinte anos (1.6), muito embora fosse vocacionado à profeta desde o ventre materno (1.5).


Resistiu inicialmente o chamado profético, sua desculpa, segundo Willmington, era em razão de sua pouca idade [3], entretanto, Harrison acredita que, muito embora o termo usado possa significar “menino”, “criança” ou “adolescente” (Êx 2.6; 1 Sm 4.21), o termo hebraico quer dizer “jovem” ou “rapaz” .


Jeremias profetizou cerca de quase um século depois de Isaías, e ambos levaram mensagens de condenação ao reino de Judá em decorrência de seu pecado. Para entendermos um pouco da pessoa e da mensagem de Jeremias, podemos compará-lo com Isaías, como vários autores modernos têm feito.


Não contraiu matrimônio, pois fora proibido pelo Senhor como sinal à nação (16.2).


Durante cerca de 40 anos (627-586 a.C.) desenvolveu seu ministério profético na capital de Judá, Jerusalém, e por cerca de cinco anos ministrou no Egito (Jr 43-44). Durante o governo do piedoso rei Josias, cerca de trinta e um anos, Jeremias não sofreu qualquer tipo de perseguição, uma vez que mantinha estreitas e amistosas relações com o rei. Na morte do rei Josias, em Megido, Jeremias compôs uma elegia fúnebre (2 Cr 35.25).


Quanto ao caráter, Jeremias era meigo, humilde e introspectivo, mas recebeu da parte de Deus a incumbência de profetizar aos seus contemporâneos. Segundo Baxter, a figura do profeta impressiona pela perseverante paciência . 


Quanto ao público, o profeta Jeremias era impopular. Foi desprezado e perseguido pelos reis devido à mensagem grave de suas profecias contra a monarquia, os falsos profetas, os sacerdotes e contra os injustos. Foi acusado de traição, por ordenar, a mando do Senhor, que Judá se rendesse aos babilônicos. Contudo, nutria grande afeição pelo seu povo e todas essas lutas o aproximava cada vez mais de Deus. O livro de Jeremias revela algo de seus tocantes diálogos com o Senhor (11.18-23; 12.1-6; 15.1-21; 18.18-23; 20.1-18).


Ao que parece, o profeta Jeremias possuía certa condição financeira que possibilitava a compra da fazenda empenhorada de um parente falido.


Durante os quarenta anos em que profetizou teve pouquíssimos convertidos, e, mui provavelmente, além de seu amanuense Baruque, não tenha tido conhecimento de qualquer outra pessoa que tenha acreditado em suas profecias, a ponto de segui-lo.


As obras da pena de Jeremias, o livro que leva o seu nome, e Lamentações, não dizem qualquer coisa concernente a morte do profeta. Aqueles que se propõem a discursar sobre o tema, apenas apresentam a tradição que atesta a morte do profeta no Egito, outros na Babilônia por morte violenta, ou na tranquilidade de sua velhice, entretanto, não sabemos quais dessas tradições são as mais confiáveis. Porém, podemos citar Francisco que afirma: “o profeta morreu como viveu: de coração quebrantado, pregando a um povo irresponsável”.


Data e local em que o livro de Jeremias foi escrito


O livro foi escrito entre 627 a 580 a. C. O ministério de Jeremias teve início no reinado de Josias e prosseguiu em Jerusalém durante os 18 anos de reforma e os 22 anos de colapso nacional. Forçado a ir para o Egito com os rebeldes, profetizou ali 5 anos (44.8).


O que não pode passar desapercebido quando estudamos o livro do profeta, é que os fatos que constam neste escrito não estão em ordem cronológica. Os capítulos 35 e 36, por exemplo, são anteriores ao tempo do capítulo 31. Lembremos que o formato primitivo dos escritos do profeta Jeremias era o rolo. É provável que Jeremias e Baruque depois de escreverem uma mensagem, se lembrassem de outra que havia sido entregue antes daquela já registrada. Assim, era acrescentada uma nova mensagem à anterior. Essa mistura de mensagens novas e antigas torna difícil ao leitor saber qual a sequência certa em que foram entregues.


Contexto histórico e monárquico do livro de Jeremias


Jeremias profetizou cerca de um século após Isaías; seus contemporâneos foram: Sofonias e Habacuque (no começo) e Daniel (mais tarde).


Jeremias iniciou seu ministério profético no reinado de Josias, mas seu ofício perpassou o reinado dos últimos cinco reis de Judá (11-3): Josias, Jeoacaz, Jeoaquim, Joaquim e Zedequias. O fato de Jeremias relacionar-se com cinco dos reis de Judá, fornece a porção essencialmente histórica do seu livro. Vejamos um pouco do relacionamento de Jeremias com os cinco reis de Judá:


Josias 


640 - 609 a.C.


Caps. 1-20


Jeremias mantinha relações cordiais com Josias e, ao que parece, o ajudou na sua política reformadora (2 Rs 23.1). O trecho de Jeremias 11.1-8, refere-se provavelmente ao seu entusiasmo em favor das reformas implementadas por Josias. Josias foi morto ao oferecer resistência ao Faraó Neco (610 - 594 a.C.). Jeremias lamentou profundamente a morte do rei-reformador de Judá (Jr 22.10). 


Jeoacaz


609 a.C.


3 meses


Jeoacaz governou por apenas três meses e nada sabemos a respeito do relacionamento de Jeremias com esse rei. (Nada foi escrito em seu tempo).


Jeoaquim


609-597 a.C.


11 anos


Caps. 12.7; 13.27; 21; 25; 27; 28; 33; 35; 36; 45


Jeoaquim reinou de 608 a 597 a.C. e foi apenas um vassalo do poder egípcio. Esse rei destruiu as profecias escritas de Jeremias e também permitiu sua prisão pelos nobres. Chegou a propor a pena de morte a Jeremias (Jr 26.11). Mais tarde foi raptado e levado para o Egito por alguns judeus.


Joaquim


597 a.C.


3 meses


Caps. 13.18 ss; 20.24-30; 52.31-34


Joaquim sucedeu ao seu pai Jeoaquim no reino de Judá, mas colheu os péssimos frutos plantados pelos governantes anteriores. Tinha apenas dezoito anos de idade quando subiu ao trono, onde permaneceu apenas três meses. Joaquim foi levado para a Babilônia em decorrência do cativeiro (Jr 13.15-19), e libertado 36 anos mais tarde pelo filho e sucessor de Nabucodonosor (2 Rs 25.27-30).


Zedequias


597-587 a.C.


11 anos.


Caps. 24; 29; 37; 38; 51.59,60


Zedequias era o filho mais novo de Josias e foi o último rei de Judá. Governou por dez anos pagando tributos aos babilônicos e, quando deixou de pagá-los, firmou um acordo com o Egito. Nabucodonosor ficou furioso e enviou um exército para destruir a cidade de Jerusalém. Jeremias opôs-se à rebelião de Zedequias, e por causa do cumprimento de suas predições, foi acusado de favorecer ao inimigo e lançado na masmorra (Jr 27.1-22)

Fonte: http://mestresteologiaedebates.blogspot.com.br/2012/01/quem-foi-o-profeta-jeremias.html

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Porque muitos não pregam a salvação em João 3:16 e sobre Hebreus 11.

Porque será que se fala tão pouco da salvação como está escrito:

Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.
João 3:15-17

Interessante notar que não pregam por completo Hebreus Capitulo 11. Porque sera?

Como está escrito:

Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem.

Porque por ela os antigos alcançaram testemunho.

Pela fé entendemos que os mundos pela palavra de Deus foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente.

Pela fé Abel ofereceu a Deus maior sacrifício do que Caim, pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando Deus testemunho dos seus dons, e por ela, depois de morto, ainda fala.

Pela fé Enoque foi trasladado para não ver a morte, e não foi achado, porque Deus o trasladara; visto como antes da sua trasladação alcançou testemunho de que agradara a Deus.

Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam.

Pela fé Noé, divinamente avisado das coisas que ainda não se viam, temeu e, para salvação da sua família, preparou a arca, pela qual condenou o mundo, e foi feito herdeiro da justiça que é segundo a fé.

Pela fé Abraão, sendo chamado, obedeceu, indo para um lugar que havia de receber por herança; e saiu, sem saber para onde ia.

Pela fé habitou na terra da promessa, como em terra alheia, morando em cabanas com Isaque e Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa.

Porque esperava a cidade que tem fundamentos, da qual o artífice e construtor é Deus.

Pela fé também a mesma Sara recebeu a virtude de conceber, e deu à luz já fora da idade; porquanto teve por fiel aquele que lho tinha prometido.

Por isso também de um, e esse já amortecido, descenderam tantos, em multidão, como as estrelas do céu, e como a areia inumerável que está na praia do mar.

Todos estes morreram na fé, sem terem recebido as promessas; mas vendo-as de longe, e crendo-as e abraçando-as, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra.

Porque, os que isto dizem, claramente mostram que buscam uma pátria.
E se, na verdade, se lembrassem daquela de onde haviam saído, teriam oportunidade de tornar.

Mas agora desejam uma melhor, isto é, a celestial. Por isso também Deus não se envergonha deles, de se chamar seu Deus, porque já lhes preparou uma cidade.

Pela fé ofereceu Abraão a Isaque, quando foi provado; sim, aquele que recebera as promessas ofereceu o seu unigênito.

Sendo-lhe dito: Em Isaque será chamada a tua descendência, considerou que Deus era poderoso para até dentre os mortos o ressuscitar;

E daí também em figura ele o recobrou.

Pela fé Isaque abençoou Jacó e Esaú, no tocante às coisas futuras.

Pela fé Jacó, próximo da morte, abençoou cada um dos filhos de José, e adorou encostado à ponta do seu bordão.

Pela fé José, próximo da morte, fez menção da saída dos filhos de Israel, e deu ordem acerca de seus ossos.

Pela fé Moisés, já nascido, foi escondido três meses por seus pais, porque viram que era um menino formoso; e não temeram o mandamento do rei.

Pela fé Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó,

Escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus, do que por um pouco de tempo ter o gozo do pecado;

Tendo por maiores riquezas o vitupério de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa.

Pela fé deixou o Egito, não temendo a ira do rei; porque ficou firme, como vendo o invisível.

Pela fé celebrou a páscoa e a aspersão do sangue, para que o destruidor dos primogênitos lhes não tocasse.

Pela fé passaram o Mar Vermelho, como por terra seca; o que intentando os egípcios, se afogaram.

Pela fé caíram os muros de Jericó, sendo rodeados durante sete dias.

Pela fé Raabe, a meretriz, não pereceu com os incrédulos, acolhendo em paz os espias.

E que mais direi? Faltar-me-ia o tempo contando de Gideão, e de Baraque, e de Sansão, e de Jefté, e de Davi, e de Samuel e dos profetas,

Os quais pela fé venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam as bocas dos leões,

Apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fuga os exércitos dos estranhos.

As mulheres receberam pela ressurreição os seus mortos; uns foram torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição;

E outros experimentaram escárnios e açoites, e até cadeias e prisões.

Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados
(Dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, e montes, e pelas covas e cavernas da terra.

E todos estes, tendo tido testemunho pela fé, não alcançaram a promessa,
Provendo Deus alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles sem nós não fossem aperfeiçoados.
Hebreus 11:1-40

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Quem é Jesus Cristo?

Pergunta: "Quem é Jesus Cristo?"

Resposta:
Quem é Jesus Cristo? Diferentemente da pergunta “Deus existe?”, bem poucas pessoas perguntam se Jesus Cristo existiu ou não. Geralmente se aceita que Jesus foi de fato um homem que andou na terra, em Israel, há quase 2000 anos. O debate começa quando se analisa o assunto da completa identidade de Jesus. Quase todas as grandes religiões ensinam que Jesus foi um profeta, um bom mestre ou um homem piedoso. O problema é que a Bíblia nos diz que Jesus foi infinitamente mais do que um profeta, bom mestre ou homem piedoso.

C.S. Lewis, em seu livro Mero Cristianismo, escreve o seguinte: “Tento aqui impedir que alguém diga a grande tolice que sempre dizem sobre Ele [Jesus Cristo]: ‘Estou pronto a aceitar Jesus como um grande mestre em moral, mas não aceito sua afirmação em ser Deus.’ Isto é exatamente a única coisa que não devemos dizer. Um homem que foi simplesmente homem, dizendo o tipo de coisa que Jesus disse, não seria um grande mestre em moral. Poderia ser um lunático, no mesmo nível de um que afirma ser um ovo pochê, ou mais, poderia ser o próprio Demônio dos Infernos. Você decide. Ou este homem foi, e é, o Filho de Deus, ou é então um louco, ou coisa pior... Você pode achar que ele é tolo, pode cuspir nele ou matá-lo como um demônio; ou você pode cair a seus pés e chamá-lo Senhor e Deus. Mas não vamos vir com aquela bobagem de que ele foi um grande mestre aqui na terra. Ele não nos deixou esta opção em aberto. Ele não teve esta intenção.”

Então, quem Jesus afirmou ser? Segundo a Bíblia, quem foi? Primeiramente, vamos examinar as palavras de Jesus em João 10:30: “Eu e o Pai somos um.” Em um primeiro momento, pode não parecer uma afirmação em ser Deus. Entretanto, veja a reação dos judeus perante Sua afirmação: “Os judeus responderam, dizendo-lhe: Não te apedrejamos por alguma obra boa, mas pela blasfêmia; porque, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo” (João 10:33). Os judeus compreenderam o que Jesus havia dito como uma afirmação em ser Deus. Nos versículos seguintes, Jesus jamais corrige os judeus dizendo: “Não afirmei ser Deus”. Isto indica que Jesus realmente estava dizendo que era Deus ao declarar: "Eu e o Pai somos um” (João 10:30). Outro exemplo é João 8:58, onde Jesus declarou: “Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou.” Mais uma vez, em resposta, os judeus tomaram pedras para atirar em Jesus (João 8:59). Ao anunciar Sua identidade como “Eu sou”, Jesus fez uma aplicação direta do nome de Deus no Velho Testamento (Êxodo 3:14). Por que os judeus, mais uma vez, se levantariam para apedrejar Jesus se Ele não tivesse dito algo que creram ser uma blasfêmia, ou seja, uma auto-afirmação em ser Deus?

João 1:1 diz que “o Verbo era Deus”. João 1:14 diz que “o Verbo se fez carne”. Isto mostra claramente que Jesus é Deus em carne. Tomé, o discípulo, declarou a Jesus: “Senhor meu, e Deus meu! (João 20:28). Jesus não o corrige. O Apóstolo Paulo O descreve como: “...grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo” (Tito 2:13). O Apóstolo Pedro diz o mesmo: “...nosso Deus e Salvador Jesus Cristo” (II Pedro 1:1). Deus o Pai também é testemunha da completa identidade de Jesus: “Mas, do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos; Cetro de eqüidade é o cetro do teu reino” (Hebreus 1:8). No Velho Testamento, as profecias a respeito de Cristo anunciam sua divindade: “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Isaías 9:6).

Então, como argumentou C.S. Lewis, crer que Jesus foi um bom mestre não é opção. Jesus claramente e inegavelmente se auto-afirma Deus. Se Ele não é Deus, então mente, conseqüentemente não sendo também profeta, bom mestre ou homem piedoso. Tentando explicar as palavras de Jesus, “estudiosos” modernos afirmam que o “Jesus verdadeiramente histórico” não disse muitas das coisas a Ele atribuídas pela Bíblia. Quem somos nós para mergulharmos em discussões com a Palavra de Deus no tocante ao que Jesus disse ou não disse? Como pode um “estudioso” que está 2000 anos afastado de Jesus ter a percepção do que Jesus disse ou não, melhor do que aqueles que com o próprio Jesus viveram, serviram e aprenderam (João 14:26)?

Por que se faz tão importante a questão sobre a identidade verdadeira de Jesus? Por que importa se Jesus é ou não Deus? O motivo mais importante para que Jesus seja Deus é que se Ele não é Deus, Sua morte não teria sido suficiente para pagar a pena pelos pecados do mundo inteiro (I João 2:2). Somente Deus poderia pagar tamanho preço (Romanos 5:8; II Coríntios 5:21). Jesus tinha que ser Deus para que pudesse pagar nossa dívida. Jesus tinha que ser homem para que pudesse morrer. A Salvação está disponível somente através da fé em Jesus Cristo! A natureza divina de Jesus é o motivo pelo qual Ele é o único caminho para salvação. A divindade de Jesus é o porquê de ter proclamado: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim” (João 14:6).


Fonte: https://gotquestions.org/Portugues/Quem-Jesus-Cristo.html

sábado, 21 de maio de 2016

Acepção de pessoas e preconceitos na igreja: um câncer que se opõe a Evangelização



Texto bíblico: Tiago 2.1

"Meus irmãos, vocês que creem no nosso glorioso Senhor Jesus Cristo, nunca tratem as pessoas de modo diferente por causa da aparência delas. Por exemplo, entra na reunião de vocês um homem com anéis de ouro e bem vestido, e entra também outro, pobre e vestindo roupas velhas. Digamos que vocês tratam melhor o que está bem vestido e dizem: Este é o melhor lugar, sente-se aqui, mas dizem ao pobre: Fique de pé ou sente-se aí no chão, perto dos meus pés. Nesse caso vocês estão fazendo diferença entre vocês mesmos e estão se baseando em maus motivos para julgar o valor dos outros. "

Vivemos em um tempo onde o ser humano é valorizado não pelo seu caráter, mas por seus bens e dígitos na conta bancária. Um tempo onde os valores morais e cristãos estão sendo cada dia desvalorizados. Infelizmente não digo isso em relação ao modo que a sociedade não alcançada pelo Evangelho trata os cristãos, mas falo o que tem ocorrido dentro da comunidade cristã em geral. Algo muito ruim, haja vista tem atrapalhado em muito o crescimento do Evangelho em razão da acepção de pessoas. Isso é algo que tem ocorrido em nossos dias. Paulo enfatiza bem sobre isso, e descreve sobre os perigos desta prática preconceituosa. Quando um ministério é formado com base nas Escrituras, jamais este será formado somente por pessoas que tenham uma situação financeira vantajosa sobre os demais irmãos, mas será um ministério formado por homens e mulheres idôneos de caráter, que frutificam de fato os frutos do Espírito Santo. No entanto, quando um líder se afasta da Palavra de Deus, ele tende a se tornar avarento, interesseiro, materialista e passa a preferir ao seu lado homens e mulheres ricos e passa a desprezar os pobres financeiramente, ele, mesmo pensando estar abastado e rico, está pobre, enfermo, frio espiritualmente e nu!

A repreensão de Paulo na Carta a Tiago é atualíssima! Nunca vivemos um tempo onde ministérios pregam somente a tal teologia da prosperidade, bem como pede altas somas ao povo para este ofertar. Esquecem-se de que Jesus Cristo veio ao mundo como um humilde carpinteiro, que não se preocupava em ter, mas em dar ao povo, que não escolhia frequentar os palácios dos reis, mas sim a casa de publicanos, bem como não preferia a companhia de empresários ricos, mas de simples pescadores!

Jesus Cristo nunca fez, e nunca fará acepção de pessoas! Ele ama o rico, mas ama igualmente o pobre! Ele faz cair a chuva sobre o pobre, mas ela cai também sobre o rico! Ele abre portas e multiplica saúde aos ricos, mas sustenta de pé e com vida também ao pobre!

Muitos irmãos e irmãs em Cristo sofrem perseguição nessa área. Existem muitos casos de pastores que, ao chegar na igreja um rico ou um politico, e este se associar como membro da congregação, passa a tratá-lo melhor, dando inclusive cargos ministeriais sem nenhuma direção do Espírito Santo! Fora os casos onde obreiros e obreiras, pobres quanto as finanças, são desprezados e substituídos por obreiros e obreiras que possuem altas somas em suas contas.

Não estou fazendo aqui uma apologia a pobreza, mas sim a igualdade, nesses tempos onde os ensinos de Jesus tem sido desprezado por aqueles que deveriam, no mínimo, ensiná-los. Pastores, ouçam esse recado: DEUS NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS! Se Deus sendo criador e sustentador do Universo não faz distinção entre o rico e o pobre, porque então vocês trata o rico melhor do que o pobre?

Uma certa ocasião, ouvi um testemunho verídico mas muito triste de uma irmã que, ao ser abordada por que trocou de congregação, respondeu que foi devido ao preconceito dos líderes, que, ao irem realizar uma visita em seu lar, humilde, caminho íngreme e de terra batida, disseram: "vê se um lugar desse é digno de passarmos?"...mal sabiam que próximo ao caminho, um parente dessa irmã escutava tudo...ao contar a mesma, a irmã decidiu mudar de congregação.

O mundo clama por socorro, mas como pessoas que fazem distinção de pessoas pela classe social e/ou poder aquisitivo poderão levar o Pão da Vida e saciar a humanidade perdida, sendo que muitos (maioria) se encontram nos becos, valados, favelas, campos e periferias das cidades?

Pastores, a Bíblia no versículo 9 do capítulo 2 da Carta a Tiago diz: "mas se vocês tratam as pessoas pela aparência, estão pecando, e a lei os condena como culpados". Não se deixem enganar pela soma financeira, pelo veiculo ou pelo patrimônio que alguém tenha. O mundo e sua aparência passam. A acepção de pessoas gerará sobre vossas vidas dores, condenações e contendas. Sejam sábios. Amem a todos e os trate de igual modo, sem distinção de cor, raça, condição financeira.

Conheço lugares que, outrora, eram conhecidos como verdadeiros pontos de adoração, onde a presença do Altíssimo Deus era abundante, lugares onde o pobre era tratado com igualdade ao rico, todos eram irmãos e irmãs. Mas hoje, infelizmente, estes lugares foram invadidos pela avareza e, agora, parecem cemitérios espirituais, onde apenas existe um amontoado de pessoas.

Jesus Cristo evangelizou Nicodemos, mas também evangelizou prostitutas, publicanos...aprendam com o exemplo do mestre que chamou um coletor de impostos para ser apóstolo, mas também chamou pescadores...

O Brasil precisa acordar como igreja! Abaixo a acepção de pessoas, os cargos eclesiásticos comprados, a influência financeira. Igreja é Igreja, empresa é empresa! Ministério é para os que são chamados por Deus, trabalhados por Ele e depois aprovados. Ministério cristão não é legado de família, nem sociedade empresarial. Se convertam falsos ministros de Mamom!

Precisamos voltar ao Evangelho da Graça, antes que a igreja entre na desgraça = sem graça

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Superando o Abandono

Superando o Abandono - Salmos 118:6

Quem de nós já teve a experiência de contar com ajuda de alguém que disse que estaria conosco e, num momento de dificuldade, nos abandonou?
Surge dentro de nós um sentimento de amargura, decepção, pois contávamos com aquela pessoa. É assim mesmo, podemos sofrer essas desilusões e também fazermos isso com alguém um dia, o certo é que o nosso Deus sempre estará conosco. Mesmo que todos nos abandone, Ele garante sua presença em todos os momentos de nossa vida.

O próprio Senhor Jesus passou por isso, vamos ver:
1) Abandonado pelos discípulos na caminhada ministerial: João 6:60-66 - Ao ouvirem o duro discurso de Jesus muitos dos seus seguidores o abandona na caminhada ministerial.
Corremos também o risco de numa caminhada por termos que tomar certas atitudes, alguns nos abandone. Lembre-se de que também podemos ter a mesma atitude, por isso tenhamos o cuidado de não abandonar ninguém pelo meio do caminho.

2) Abandonado pelos discípulos na oração: Mateus 26:36-46 - Jesus leva três discípulos para orarem junto com ele naquele momento tão difícil para sua vida, mas os discípulos por três vezes simplesmente não atenderam a palavra do seu Mestre, abandonando-o numa oração solitária.
É provável que passemos por isso também, pessoas que dizem que estaria conosco, mas nem por um momento se esforçam para nos ajudar em oração. Lembre-se, se disse que oraria por alguém, ore, não abandone essa pessoa, sua oração é muito importante.

3) Abandonado pelos discípulos quando foi preso: Mateus 26:47-56 - Diante da prisão de Jesus, todos aqueles que haviam sido chamados para andarem com ele o abandonaram, no momento difícil, a Bíblia relata que todos o deixaram.
Por certo passaremos por isso em nossa vida, ficaremos só diante de situações difíceis. Há momentos em nossa vida que a situação dá tanto medo que alguns, por não suportarem, nos deixarão só.
Precisamos vigiar para que também não façamos o mesmo com as pessoas que contam com nossa companhia.

Os homens podem nos abandonar, nós também podemos abandonar alguém, mas é certo que Deus jamais abandona aquele que é seu.

Isaías 49:15 O SENHOR responde: "Será que uma mãe pode esquecer o seu bebê? Será que pode deixar de amar o seu próprio filho? Mesmo que isso acontecesse, eu nunca esqueceria vocês.

Evangelize pela Internet. É simples, fácil e não custa nada. Busque mensagens em nosso site e mande a outras pessoas. Isso é agradável a Deus

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Saiba como se defender se você estiver sofrendo Bullying

Bullying (AFI[ˈbʊljɪŋ]) é um anglicismo utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos, causando dor e angústia e sendo executadas dentro de uma relação desigual de poder.O bullying é um problema mundial, sendo que a agressão física ou moral repetitiva deixa marcas para o resto da vida na pessoa atingida.

O agressor inferioriza e se impõe sobre o outro, na tentativa de superá-lo em termos físicos e psicológicos, e de satisfazer seu ego.
                        



O que você pode fazer se sofrer bullying?
  • Não reaja. Eles querem saber se a provocação deu certo”, disse uma jovem chamada Kylie. “Se você não reagir, eles vão desistir.” A Bíblia diz: “Aquele que é sábio [se] mantém calmo até o último.” — Provérbios 29:11.
  • Não revide. Em vez de resolver o problema, a vingança só vai piorar a situação. A Bíblia diz: “Não paguem o mal com o mal.” — Romanos 12:17, Bíblia Fácil de Ler; Provérbios 24:19.
  • Evite o perigo. Sempre que possível, evite pessoas e situações que poderiam aumentar as chances de você sofrer bullying. — Provérbios 22:3.
  • Tenha uma reação inesperada. Muitas vezes, o intimidador espera que a vítima fique irritada. Então, faça o que a Bíblia diz: “Uma resposta, quando branda, faz recuar o furor.” — Provérbios 15:1.
  • Leve na esportiva. Por exemplo, se alguém o chamasse de gordo, você poderia simplesmente balançar os ombros e dizer: “É, acho que preciso mesmo perder uns quilinhos.
  • Vá embora sem dizer nada. Nora, de 19 anos, disse: “O silêncio mostra que você é maduro e mais forte do que o intimidador. É uma evidência de autocontrole — uma coisa que ele não tem.
  • Desenvolva mais autoconfiança. Eles percebem quando você não está à vontade”, disse uma jovem chamada Rita, “e talvez usem isso para acabar com o que tiver sobrado de sua autoconfiança”.
  • Conte para alguém. De acordo com uma pesquisa, mais da metade de todas as vítimas de bullying na internet não contam para ninguém, talvez por vergonha (especialmente no caso dos rapazes) ou por medo de uma vingança. Mas lembre-se de que os intimidadores esperam que você não conte para ninguém. Assim, esse pode ser o primeiro passo para dar um fim no pesadelo.